Oceano de amor


Hoje acordei com a impressão de estar completamente cheio de vontade de me identificar com o mar, com o oceano. Significa estar em paz e, ao mesmo tempo, em pleno e completo movimento das ondas. Ondas que vão e vêm, que arrebentam na praia; que levam e trazem lembranças e recordações; que transportam alegria, felicidade, e, quase sempre, pessoas com planos, objetivos, desejos e vontades as mais diversas possíveis.

Essa impressão tornou-se realidade quando, de repente, o sol brilhou mostrando em sua plenitude as imagens desejadas em uma representação caleidoscópica de cores, brilhos e nuances de um ser feminino emoldurado por uma aura de esplendor inigualável. Haja luz, brilho, resplandescência.

O mar é azul, verde dependendo de quem o observa ou quando se observa de determinada situação ou posição; o mar é bravio? Só quando não o entendemos, quando não o conhecemos e o desafiamos. Para quê desafiar o imponderável ? O mar é como o amor. Mesmo que haja turbulência depois haverá calmaria. Para que isso aconteça é preciso que o amor como o mar seja verdadeiro, real, único. Ser real significa amar de verdade, amar por amor. Ter sem cobrar, precisar sem depender, estar sem presença.

O mar é um oceano de amor. O oceano é o reflexo de uma imagem real de quem se ama. As águas dos oceanos se encontram mas não se separam, pelo contrário, se interpenetram e se preenchem como em um lago cujo conteúdo maior é o continente do amor.

Banhar-se em águas do mar é como banhar-se de esperança ao conhecer-se o amor.

Conversa fiada


Boa parte de nossa vida passamos trocando confidências, compartilhando histórias com outras pessoas.

Em cidades interioranas, principalmente, conserva-se o hábito de sentar-se em cadeiras à frente das casas, em finais de tarde, para “jogar conversa fora” com vizinhos, amigos. Às vezes, os tons das conversas ficam mais picantes.

Na maioria das vezes, no entanto, o bom hábito propicia  uma “terapia” que as pessoas nem se dão conta. Aliviar tensões, dores emocionais e até físicas é um dos fatos concretos da importância de um “bom papo”.

Uma boa conversa leva a atenção das pessoas para a narrativa e desvia o foco dos sofrimentos e essas histórias possibilitam uma nova perspectiva de nossa própria condição humana. Ao compartilharmos histórias, estamos elevando nossos conhecimentos, ampliando referências e nos conhecendo melhor.

Tudo isso dentro de uma condição de higidez mental e, acima disso, de uma condição de elevação espiritual. Nos dias atuais, o bate-papo entre amigos nas salas de visitas ou à frente das moradias ganhou um novo espaço (mal utilizado, na maioria das vezes) que é a internet, apesar de ser uma relação virtual. As redes sociais permitem “encontros” entre pessoas que jamais se encontraram ao vivo.

As pessoas se sentem estimuladas a digitarem suas idéias, seus objetivos, suas necessidades, carências e o que pode ser mais perigoso, sua intimidade. Seria adequado salientar que a “grande rede” poderia permitir, pelo menos, um congraçamento maior entre os povos do nosso planeta. Troca de conhecimentos em todos os aspectos humanos é o grande desejo das pessoas que buscam uma melhoria de vida, que desejam encurtar o caminho para a felicidade.

Agradecimentos aos sites detentores das imagens.