Anorexia nervosa


” Transtorno do comportamento alimentar onde encontramos restrições dietéticas auto-impostas e padrões extravagantes de alimentação, acompanhados de acentuada perda de peso “. (Ana Beatriz Barbosa Silva, psiquiatra).

Transtorno alimentar no qual a busca implacável por magreza leva a pessoa a recorrer a estratégias para perda de peso, ocasionando importante emagrecimento  “. (abcdasaude.com.br).

Palavra que se origina do grego: ann = prefixo negativo que significa ” sem “; e ” orexis ” = que designa apetite ou desejo.

As pessoas que apresentam esse transtorno sentem um medo intenso de engordar. As mulheres, adolescentes e adultas jovens, na faixa etária de 12 a 20 anos, são as mais suscetíveis à essa situação.

É bom lembrar que os riscos clínicos são grandes e podem levar à morte por desnutrição.

Essas pessoas tornam-se, na maioria das vezes, obsessivas com sua alimentação e preocupadas, em demasia, com o controle do peso corporal. Acreditam estar gordas mesmo com acentuado emagrecimento.

As complicações advindas daí, então, são as mais diversas e requerem, sem qualquer dúvida, a interveniência de médicos clínicos e psiquiatras e psicólogos, principalmente.

Redução da massa muscular, amenorréia (paralisação do ciclo menstrual), comprometimento do sistema imunológico, anemia, hipotensão, desnutrição e desidratação são algumas das várias complicações médicas a serem tratadas, em tempo hábil, para evitar-se o pior de todos esses males, a morte.

As diversas causas (já que não se tem uma causa determinante) estariam ligadas a fatores biológicos, psicológicos, familiares e culturais.

O que acredito é que a extremada valorização, que se deu em nossa cultura ocidental, à mulher magra, transformando-a em estereótipo de beleza externa, afetou a percepção  de mulheres jovens que se identificaram com esse padrão sem observarem que muitas delas não possuem o principal, que é a beleza interior.

Baixa auto-estima, imaturidade, falta de juízo crítico, preocupação com o poder (financeiro, estético, etc.) volátil, perfeccionismo, caráter facilmente influenciável, principalmente, pelos modismos ditados por pessoas que se julgam capazes de provocarem mudanças na sociedade são, no meu entender, os grandes ” vilões ” dessa ” enfermidade “.

Claro que após instalada a ” doença “, as preocupações para seu tratamento requerem cuidadoos médicos, psiquiátricos e psicológicos intensos.

Por isso sempre digo : ame-se como você é. Goste de você sem se perturbar com os ditames da moda. Sinta-se a mulher mais bonita de todas. Ou você prefere ” bonita por fora e ôca por dentro ” ?

Anúncios