Atlântida e Lemúria


Os continentes perdidos

Atlantis

Continent that existed where the Atlantic Ocean now is that sank in cataclysm (The Flood of  Noah) approximately 11,600 years ago.

A história desses continentes é realçada por eventos fantásticos polvilhados por fantasias, crenças, incredulidade e, acima de tudo, desconfiança quanto a veracidade de sua existência.

São enigmas, como a própria história da humanidade. E sabem os estudiosos que diversas civilizações da Terra foram perdidas deixando como testemunho de sua existência apenas fragmentos de sua cultura, arte, usos e costumes, língua, religião, etc.

Dizem alguns clarividentes, de forma categórica, que a Atlântida existiu e que foi a Terra-Mãe de civilizações como a grega, egípcia, indu, ariana, asteca, maia, dos peles-vermelhas americanos, etc. Afirmam que a Atlântida e a Lemúria datam de, pelo menos, 100.000 anos a.C.

Não sabemos. Mas, estudos atuais provam que a Esfinge tem sua origem entre 12.000 e 10.500 anos a.C. e não 4.000 anos a.C. como se supunha, anteriormente. E como se explica a similaridade entre as pirâmides do Egito e da América Central ?

Estude-se a fauna e flora da América do Norte e de outras regiões da Europa e do norte da África e, talvez, a estupefação seja maior. Por quê foram encontrados restos fósseis de camelo na Índia, África, América do Sul e no Estado do Kansas (nos Estados Unidos) ? E o cavalo ? Teve sua origem no hemisfério ocidental ? Remanescentes do leão das cavernas da Europa também são encontrados na América do Norte.

No reino vegetal, causa espanto o fato de que a maior parte da flora do Mioceno, na Europa (encontrada principalmente nas camadas fósseis da Suiça) existe atualmente na América.

E a banana ? Como essa planta, nativa da Ásia e da África tropicais, e que não suporta uma viagem pela zona temperada, foi levada para a América ? Sabemos que essa planta não tem sementes, não pode ser cultivada por mudas, não possui tubérculos que possam ser facilmente transportados. A sua raiz  é, na verdade, o caule subterrâneo da planta, e o que se vê à superfície são galhos dele, e não troncos. O trigo, a cevada, a aveia descendem de espécies, hoje, extintas ?

As sondagens no fundo do mar realizadas, principalmente, pelas canhoneiras britânica e americana “Challenger” e “Dolphin”, com a Alemanha participando dessa expedição científica, demonstraram a existência, no meio do Oceano Atlântico, de uma imensa escarpa ou cordilheira de grande altitude (2743 metros) que se estende na direção sudoeste desde cerca de 50° de latitude norte, em direção à costa da América do Sul, e depois na direção sudeste, para a costa da África, mudando de direção novamente perto da Ilha da Ascensão, e dirigindo-se diretamente para o sul, para a Ilha de Tristão da Cunha.

A mesma expedição comprovou definitivamente que o leito do oceano, especialmente, próximo dos Açores, foi cenário de uma ação vulcânica de gigantescas proporções.

Quatro dessas grandes catástrofes, de grande magnitude, aconteceram no Mioceno, em tôrno de 800.000 anos atrás;  há 200.000 anos ; há 80.000 anos, a terceira, foi muito grande, destruindo quase todo o continente atlante, restando a ilha que Platão deu o nome de Poseidônis, que submergiu no ano de 9564 a. C.

A língua basca é única entre as línguas européias, e não tem afinidade com nenhuma delas. Os fenícios foram, aparentemente, os primeiros povos do hemisfério ocidental a utilizar um alfabeto fonético. É coincidência encontrar um alfabeto fonético entre os maias ?

Estudiosos dizem que a língua maia tem um terço de grego puro. Sabe-se que o grego descende do sânscrito. Para complicar mais ainda é surpreendente encontrar treze letras do alfabeto maia que apresentam inconfundível analogia com os símbolos dos hieróglifos egípcios para as mesmas letras.

continua…

Fonte:

°Doutrina Secreta, Helena P. Blavatsky, Editora Pensamento

°Continenteperdido.blogspot.com

°Entre dois mundos, a história da Atlântida e da Lemúria perdida, Frederick S. Olivier e W. Scott-Elliot, Editora do Conhecimento

Anúncios